Obama no Brasil: marketing ou realidade?

Os  Estados  Unidos  da  América , sempre  querem  parecer  estar  à   frente  dos outros países , ou pelo menos  fingir ser  ” amiguinho”  deles,  para  tirar  proveito  de  algum  bem  ou  propriedade  destes.  Com  o  Brasil  não  foi  diferente.

O  Presidente  Barack  Obama , visitou  as  cidades  de  Brasília , no  final  de  Março, onde  se  reuniu  com  a  Presidente  Dilma  Rousseff ,para  estreitar laços políticos e  econômicos   com o  Brasil. E o Rio de  Janeiro,  onde  ele  passou  uma  imagem de  bondoso e  humilde , que  conhecia  a  história e  cultura do  país , porém, veio  interessado  no petróleo da  camada  pré-sal ,e  para  formar um  poderoso  aliado  na  tentativa  de  apagar a  imagem  negativa  deixada   por   seu  antecessor, o  ex-presidente   George   W.  Bush.

A   Presidente  Dilma,  deixou bem  claro  o  desejo  do  país  em ter  um  assento permanente  no   Conselho  de   Segurança   das  Nações  Unidas ( ONU), e  a retirada  de   taxas  à   importação  do  etanol   brasileiro. O que não  foi   aceito  por  Obama,  que  manteve uma posição  bem  modesta.

A   primeira-dama  Michelle  Obama,  cumpriu  uma  agenda  própria   em  solo  brasileiro, em  que  discursou  sobre   a  educação e  cultura, e  visitou  alguns  projetos  beneficentes.Tudo isso  mostra  a  vontade de  obter carisma  da população, que  acreditou  no  que ela  discursou.

A   visita   do  ” homem  mais  poderoso  do mundo” , iludiu a  cabeça   de  pessoas  mais  carentes,  que  acreditaram   em   seu  discurso, por ele  ter  sido pobre, e  por  assistir  apresentações  de  capoeira,  escolas de samba, na   favela   Cidade  de Deus ( pacificada), em  que elogiou  as  pessoas  e  as  presenteou  com objetos , que  contém  a   marca da Casa Branca. Além   do  discurso  dado no Teatro Municipal,  em que  falou algumas  palavras  em  português, citou  nomes  de  times  de  futebol  cariocas e  a  democracia  conquistada  pela  nação  após  o período da  ditadura.

Enfim. Pode ser que não,  mas pelas  circunstâncias, os  EUA  querem  formar  a  ALCA( área  de  livre   comércio  das  Américas) ,  e  tentar  recuperar   a  influência  estadunidense  não só   no Brasil, mas  em toda  a  América  Latina.  Prova  disso é  a visita  de Obama  ao  Chile,  assim  que  ele  deixou  o território brasileiro.  Além  de  querer  se aproveitar dos recursos  recém-conquistados  do Brasil, em  detrimento das  necessidades  da  nação.

Dilma  Rousseff  deve  ser cautelosa  e firme, para   que  o país   não  abra  mão  demais, ou melhor, para que  ambos  os lados sejam beneficiados  igualmente.

Por   Jennifer  Taynara 

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: